Notícias APTCA

EurECCA diz que “assédio” da TAP aos Tripulantes de Cabine pode ” pôr em causa a segurança da operação”

Partilha esta notícia

A Associação Europeia de Tripulantes de Cabine (EurECCA) manifestou-se preocupada e desagradada com os despedimentos e rescisões de contratos na TAP, num processo que diz ser “moralmente reprovável” e que não vai resolver a situação económica da maior companhia aérea nacional.

Em comunicado, a EurECCA diz ainda que os tripulantes de cabine têm sido “assediados” e que vivem atormentados com as “inúmeras violações” da empresa. Um processo que para a Associação sedeada em Bruxelas promove “angústia, incerteza e instabilidade emocional” nos Tripulantes de Cabine, “o que pode comprometer a segurança da operação”.

Assim, a Associação sedeada em Bruxelas apela a uma atitude “responsável” da TAP e diz que o processo de rescisão de contratos pode ser considerado “assédio moral”, uma vez que tem como objetivo levar os trabalhadores a aceitarem as condições impostas pela empresa.

No documento datado do passado dia 15, a Associação destaca que após a assinatura do Acordo de Emergência, a TAP reduziu os ordenados em 25% e suspendeu os acordos da empresa, com o objetivo de salvar 350 dos 750 postos de trabalho inicialmente apresentados pela TAP. Para tal, a companhia aérea iniciou um processo “pouco claro” de transferências para a Portugália, que não se revelou “verdadeiro” ou “atrativo”, de reformas antecipadas, rescisões por mútuo acordo, bem como licenças sem vencimento e part-time.

A EurECCA classificou ainda de reprovável o facto da TAP ter vindo, posteriormente, a avançar que o número de saídas ainda não era suficiente, apesar de terem sido atingidas as métricas estipuladas.

Mas, para a associação, as violações da empresa não terminaram por aqui, já que a 19 de abril a TAP começou a chamar alguns trabalhadores cujos critérios podiam conduzir a uma rescisão unilateral, isto após ter sido definido um algoritmo de forma “incompreensível e irracional”. Após essa convocatória, os trabalhadores foram “marginalizados” e colocados em “lay-off, com os contratos suspensos e sem planeamento”.

E mesmo após todos os cortes e saídas, a TAP, a 31 de maio, veio a informar que ainda havia um excesso de 47 tripulantes de cabine, sem especificar os critérios que levaram a este número e sem adiantar em que categorias havia excesso de trabalhadores.

Perante esta realidade, a EurECCA defende uma atitude responsável por parte da companhia aérea.

Mais Notícias

Novo protocolo Nautilus

A APTCA fez um novo protocolo com o Nautilus Caffe and Lounge.  Visita este sítio com vista mar no Aquário Vasco da Gama junto

Missa em honra da N. Sra do Loreto

Missa em honra da N.Sra. do Loreto  Dia 8 de Dezembro de 2022 pelas 11h30 vai realizar-se a tradicional cerimónia religiosa na Igreja dos